Movimento Romântico

Movimento Romântico

Casimiro de Abreu, Meus 8 anos.

 

Oh! que saudades que tenho

Da aurora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

 

Os alunos do 3°Ano  tiveram uma aula de literatura diferente. Estamos no MOVIMENTO ROMÂNTICO – o auge do amor, dos sentimentos e das dores amorosas. Também se vê, no romantismo, o índio como um ser heroico, a natureza rica e bela – e o Brasil – que acabara de se tornar uma nação – idealizado. Fala-se também sobre o surgimento da PROSA,  em contrapartida com a POESIA.  Há – na discussão – os poetas mais significativos da época.

Vimos o contexto histórico-cultural  – século XIX – debatemos o amor com as poesias românticas desse século ao som da canção ultrarromântica Exagerado, de CAZUZA (https://www.youtube.com/watch?v=tEcL49XI1Io). Analisamos também a época romântica quando assistimos ao clipe do filme Os Miseráveis, do escritor francês Victor Hugo (

https://www.youtube.com/watch?v=25sBSaecx_E) No filme – na obra de Hugo – debate-se sobre a  Revolução Francesa e todos os valores revolucionários pregados pelos românticos. A imagem do índio – bravo e guerreiro do romance Iracema, de José de Alencar, e do poeta Gonçalves Dias e de tantos outros poetas românticos foi “lida” criticamente e transplantada para a voz do cantor e compositor

Caetano Veloso com a famosa canção Um Índio 

(https://www.youtube.com/watch?v=PS3xHxAKMBI). Também foram trabalhados os SONETOS de Vinícius de Moraes, que (apesar de Modernos) recuperam a linguagem do amor talvez idealizado, ou talvez distante, ou talvez um tanto quanto platônico.

Vinícius de Moraes, Soneto do amor total

Amo-te tanto, meu amor… não cante

O humano coração com mais verdade…

Amo-te como amigo e como amante

         Lemos a escravidão com a poesia social de Castro Alves – O Navio Negreiro (https://www.youtube.com/watch?v=2RAKjM-xLWE) E, ao final, percebeu-se que quando as escolas literárias são estudadas – as fases por que o Brasil passou em sua produção literária – um dos primeiros movimentos literários, o Romantismo, acaba por perpetuar-se em ações cotidianas. A aula, por sua vez, incentivou que os alunos buscassem elementos do seu meio social, PRESENTES NO ONTEM E NO HOJE – fizessem entrevistas e colhessem comentários sobre o sentimentalismo aparente ou não das pessoas com as quais convivem sobre assuntos como: política, saúde, relacionamentos e morte, ou seja, uma coleta de elementos que evidenciassem ou não comportamentos sentimentalistas românticos.

         A gente adorou!

Mais que formação, é transformação!

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*