Psicologia Positiva

Psicologia Positiva

A atípica dinâmica de vida da pandemia afeta nossas rotinas, evidencia dificuldades, propõe desafios, mas principalmente estimula um novo olhar para aquilo que nos era cotidiano.

A prática do distanciamento social promoveu um aumento da dependência dos pais, da ansiedade e desatenção dos alunos. A psicóloga Melissa Goichman afirma que, antes de mais nada, é necessário considerar que se trata de um momento atípico, delicado e de incerteza, o que, por sua vez, influencia as possibilidades de resposta frente às tarefas diárias, como comer, dormir e estudar.

“Se em qualquer cenário a presença de características como a desatenção, a preocupação e a dependência fazem parte, no contexto atual essas características se acirram ainda mais. Por isso, lembrar que estamos passando por uma fase difícil nos auxilia também a perceber que esse momento terá fim.”

Melissa Goichman

Nesse contexto, o bem-estar dos estudantes é fundamental e pode ser estimulado e mantido por meio de diversas estratégias, como reforço positivo e adequação das demandas e cobranças. Nesse momento, cobranças excessivas por rendimento podem ter um efeito negativo na concentração de crianças e jovens, enquanto valorizar o processo de aprendizagem pode colaborar. A Psicologia Positiva é capaz de contribuir para a situação de isolamento social e dispersão da atenção com o objetivo de desenvolver forças e virtudes que venham  a melhorar a nossa reação diante de situações-problema. Além disso, também pode  ampliar habilidades, como resiliência, autocompaixão, criatividade e otimismo.

Algumas práticas devem ser adotadas para melhorar o bem-estar e fomentar o foco e a concentração. Recomenda-se, em primeiro lugar, a criação de uma rotina e o estabelecimento de limites entre os momentos escolares e aqueles de qualidade para a família e o lazer; organizar turnos e espaços específicos para as atividades fará com que as crianças saibam em quais momentos deverão prestar atenção às aulas, e isso evitará ao máximo eventuais distrações. O objetivo vai além da organização do tempo, elas precisam dividi-lo emocionalmente. Uma maneira fácil de demarcar o ambiente de estudo é pelo uso de símbolos relacionados à escola.

De acordo com o artigo COVID-19: implicações e aplicações da Psicologia Positiva em tempos de pandemia (Zanon, Wechsler, Fabretti, da Rocha, 2020), situações adversas são capazes de fornecer a possibilidade de o indivíduo aprender com seus esforços para tornar-se psicologicamente mais forte e crescer como ser humano. A incorporação de ações no cotidiano que envolvam autocompaixão, criatividade, otimismo e meditação pode promover resiliência e o bem-estar em muitas pessoas.

A autocompaixão é composta por três elementos: bondade consigo, senso de humanidade e atenção plena. A bondade consigo refere-se à gentileza e compreensão consigo mesmo em situações de sofrimento ou fracasso, em vez de ser severamente autocrítico; o senso de humanidade diz respeito à percepção das próprias experiências como parte de uma prática humana mais ampla, em vez de vê-las como separadoras e isoladoras; a atenção plena, por sua vez, está relacionada à manutenção dos pensamentos e sentimentos dolorosos em consciência equilibrada, ao invés de se identificar demais com eles. Com autocompaixão, é possível assumir uma posição de cuidado em relação a si mesmo, o que se torna essencial para enfrentar períodos de crise. No contexto da pandemia causada pela dispersão da COVID-19, parece mais aceitável pensar que se está isolado, sem contato com outras pessoas, quando se considera que outros também estejam nesse contexto. Assim, compreender o vírus pode contribuir para um sentimento de conexão e perspectiva da própria situação. Ou seja, lembrar a natureza compartilhada do sofrimento diminui a sensação de isolamento e sinaliza que as coisas poderiam ser piores (Neff & Germer, 2017).

A criatividade nessas situações torna-se essencial para vencer os momentos de crise e passa a ser uma força de saúde mental na medida em que traz consigo uma atitude de otimismo e esperança de dias melhores. Faz-se importante usar a criatividade com vistas no desenvolvimento do potencial criativo com objetivos pessoais e educacionais e perceber as oportunidades de crescimento ao invés de momentos de desalento.

A meditação mindfulness, ou de atenção plena, é voltada para o aumento do bem-estar, e sua prática busca uma tomada de consciência e atenção para as experiências presentes sem julgá-las. Estudos recentes demonstram a melhora de sintomas depressivos e ansiosos por meio da meditação. Essa prática parece produzir efeitos importantes na satisfação das pessoas porque contribui para que o praticante mude e controle a autopercepção do mundo e dos eventos ao seu redor, ao invés de tentar mudar o mundo e as experiências em si, o que favorece comportamentos de empatia, generosidade e gratidão para com os outros.

 

FONTES:

https://porvir.org/especialistas-dao-dicas-sobre-como-lidar-com-falta-de-atencao-dos-alunos-durante-aulas-online/

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2020000100506

 

Mais que formação, é transformação!

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*